domingo, 26 de julho de 2009

Gripe do Presunto


Um espirro
já basta para que eu saia de perto de ti. Jovens me amedrontam só por viverem, estando ou não com suas caras abatidas durante a manhã gélida da cidade de Porto Alegre. Sou um pouco hipocondríaco - descoberta recente - e, enquanto não me adequo àquelas máscaras ameaçadoras (que fazem até Jesus te olhar desconfiado), procuro simplesmente evitar pessoas suspeitas: quase todas.




DELICADO, Suíno - Modelo e Ator Pornô

Hoje, estou totalmente convencido de que contraí essa safadeza. Isso - perguntarias em breve - se deve ao seguinte acontecimento:

Estava eu dentro de uma lotação fechada, às 12h, no meio da semana, em direção a Porto Alegre. Logo na saída do condomínio, uma senhora em estado putréfico havia entrado, segurando sua bengala maltratada, e, antes mesmo de pagar, começara a tossir feito uma suína. Sua cara parecia mais defunta do que a de um cadáver fresco, e tinha uns prováveis 50 anos, mas seu estado era caótico, e sua saúde era de enfermo terminal. Assustei-me; como, diabos, irei suportar uma viagem fechada com um cadáver vivo? Quantos tipos de doença poderia pegar, não pensei bem, mas a possibilidade de contrair o H1N1 me proporcionou desespero. Como sempre atraísse tais coisas, a senhora, que tinha diante de si um ônibus vazio para escolher, sentou na coluna do meu lado, e só um minúsculo corredor me separava da gripe do lombo. Em sua terceira tosse, contudo, levantei-me e fui até a extremidade contrária da que ela estava. E fiquei lá, na traseira, até lotar a pequena condução.

Lotara e, por sorte ou por azar, os únicos dois lugares que sobraram estavam em minha frente e ao meu lado direito. Não tardou muito para que subisse um casal. Oh, mas que tristeza! Não havia dois lugares juntos... mas, querido, olha lá do lado daquele moço: tem dois pertinho! Tudo bem, pensei. O superego ainda monta o egoísmo. E, fingindo não se importar, concedi as licenças de modo que o jovem sentasse ao meu lado, e a jovem à minha frente; no entanto, deram-se as mãos do início até o final da viagem. Procurando ignorar, aberto o livro diante de meus olhos, abstive-me por alguns segundos, e o teria feito por mais, não fosse o detestável espirro que o rapaz deixasse escapar. Além de notar as partículas Tipo A que se difundiam por todo o clima asqueroso daquele transporte, a força e o barulho com que aquele corpo cavalístico havia soltado o espirro foram suficientes para, hiperbolicamente falando, "balançar o busão".

Disfarçadamente, devido à delicadesa da situação, cobri minha respiração com o casaco que vestia, até não aguentar mais tamanho auto-cuidado. Ao desproteger-me, e sem ter para onde fugir, senti-me vulnerável a quaisquer porcos que voassem ali dentro e já me sentia doente lá mesmo. Entretanto, 'a desgraça nunca vem sozinha', e o sujeito passou a ter uma crise de espirros avassaladora. E a cada espirro, menos esperança eu tinha de sobreviver àquele incidente terrível.

Depois de me libertar, pela primeira vez tomei o ar poluído de POA com muito prazer, quase como sinônimo de saúde e de liberdade. No longo caminho que percorro a pé do viaduto à Alberto Bins, dei de cara com uma senhora que vinha na direção contrária, utilizando aquelas máscaras aterrorizantes, e isso me fez sair da calçada tênue e delgada para evitar que trocássemos o mínimo possível de ar. Pisei por alguns poucos segundos no meio da rua, até que ela passasse, mas esse minúsculo tempo que utilizei para minha saúde, ironicamente, quase me a tomou por completo, fato que se provou no mesmo instante que ouvi um senhor (que vinha atrás da senhora gripada) aos berros tentando me avisar o seguinte:

- CUIDADO COM O ÔNIBUS GURI!

Pulei para dentro da calçada na mesma hora em que uma lotação atropelava com fúria o espaço de ar em que eu me encontrava. Ainda na calçada, tive tempo de passar exatamente ao lado da enferma senhora, que por sinal raspara seu braço doentio no meu.

*Lição do dia: "Antes pegar o suíno junto, do que virar um presunto"



Abaixo, "Os Desabafos de um Suíno", ganhador
de 2 Oscar e 1 Globo de Ouro.

video

7 comentários:

Sergio Trentini disse...

AEOHOIAEHOIAHIOEAHIEOHEOHOIEHIOEHHIOEHIOEAEIOEAHOIAEHAEIAEOHIEA
Abençoado seja, Suino Rei.

Patrícia Andréa disse...

Oi sumido! Nem aparece mais lá no meu blog né...

Cuidado com a gripe hein...

Bjus!

Diane disse...

vídeo muito bom :] sabia que o raio de transmissão de um vírus é de 3 metros? tu vai ter que te esforçar mais para conseguir ficar longe dos porquinhos ;]

beijo

Diogo disse...

Ia te convidar pra fazer alguma coisa no fim de semana. Desisti.

Lucas disse...

Hahahahah mas foi alarme falso. Isso aconteceu há bastante tempo, e até agora nada... desde que voltei do hospital, após ser internado, só tenho tido febre alta e espirros, além do estranho espiral que tá brotando do meu traseiro.

Paola disse...

alarme falso, será? :(
adorei o video do porquiiinho x)
tu fica bem de porquinho, sabia? besoooos!

Marcelo disse...

muito bom como sempre!