terça-feira, 30 de março de 2010

Bem Cuidado, Príncipe!

Cedo agora este humilde espaço para que meu amiguxo Sérgio (ótimo cronista) conte-nos um episódio que com ele ocorreu recentemente, e que me fez rir por muitos momentos. A partir de agora, é com ele:

"Não lembro mais de onde vínhamos. Mas estávamos indo para o pálio 98 (quitadinho). Havia deixado o carro em uma rua qualquer da cidade baixa; sempre com o ** na mão, rezando para que quando voltasse o carro ainda estivesse ali. Chegando ao carro, comentei com os guris que não havia nenhuma criatura cuidando os carros, e que eu já estava prevenido com um real na mão. Marcelinho disse “Não tem... É um troco que tu economiza”.  No controle do alarme do carro tem dois botões. Um com o cadeadinho fechado e um com o desenho de um cadeado aberto. Era este último que eu precisava apertar para abrir as portas do carro. Assim o fiz. 
Não sei bem de qual distância o barulho poderia ser ouvido, mas confesso que não estava temeroso. Ainda deu tempo de entrar no carro; Vinicius saltou para o banco de trás e Marcelo se posicionou ao meu lado no banco do carona. Olhei para baixo. Freio de mão, ponto morto... Tudo ok. Não, não estava tudo ok. Assim aconteceu o fato: Quando olho pra cima vejo um mendigo mulato a uns trezentos metros de distância correndo em nossa direção enquanto sacodia os braços. Usain Bolt teria inveja. Em muito pouco tempo chegou ao carro e eu não tive a reação de arrancar, atropelá-lo, gritar por socorro. Estava entregue para qualquer coisa que fosse acontecer.  O ser chegou no carro e enfiou a cabeça pra dentro do Paliozinho. Eu podia sentir sua respiração. A esse altura já estava cagado. Então ele falou com uma voz rouca e alta a frase que ecoará pela eternidade.
- Bem cuidado, Príncipe!
E esticou a mão para receber a moeda de um real. Mediante as risadas de meus amigos ele não se contentou. Olhando para Marcelo disse:
- E do lado vai o barão, só comandando o bagulho todo!
Nesse momento todos ríamos. Foi então que ele notou Vinicius no banco traseiro.
- Lá atrás vai o rei, só dando pressão!
A criatura riu com sua voz rouca e nós rimos mais. Ficamos ali por uns 10 segundos rindo juntos e então eu decidi arrancar o carro antes que ele tirasse uma faca do bolso e começasse a pedir a fortuna real. Foi assim que meu Palio 98 se tornou a carruagem da realeza... Até eu bater ele na volta pra casa. "

6 comentários:

Anônimo disse...

hsauuahuushusahu

marcelo disse...

HAHAHAHAHAHAHAHA

Diane disse...

BOA!

Lucas Di Marco disse...

O sérgio é um verdadeiro príncipe!

Barradas disse...

Faltou a rainha. Na próxima me chamem!

TAWANE disse...

HUHUAHSUAHSASHAHUHUUHUAHUHSUAHSAHmuitoobom